Contagem de Carboidratos para o diabético tipo 1

A contagem de carboidratos é o método nutricional com indicação para ser usado por todos os diabéticos tipo 1, objetivando o melhor controle da doença.

Você sabia que 100% do carboidrato ingerido é transformado em glicose (açúcar)? E não importa se o carboidrato é de uma fonte saudável (frutas, legumes, tubérculos, alimentos integrais…) ou não (doces, refrigerantes, alimentos refinados…), ele sempre terá um grande efeito sobre a glicemia (açúcar no sangue).

Para se alimentar com tranquilidade, a contagem de carboidratos é uma estratégia nutricional muito eficaz, que tem como objetivo encontrar um equilíbrio entre a quantidade de carboidratos ingerida e a quantidade que será administrada de insulina, para manter os níveis de glicemia adequados.

Este método é uma maneira de prevenir as complicações decorrentes do descontrole da glicemia (hipoglicemia e hiperglicemia), onde os portadores de diabetes tipo 1, podem se beneficiar pois ganham mais opções para a manutenção de uma alimentação saudável, equilibrada e saborosa.

Quando você entende como contar carboidratos, você tem uma maior variedade na escolha dos alimentos que compõem o seu plano alimentar e também, pode controlar sua glicemia mais precisamente.

No Centro Médico Vitalité, você pode contar com um atendimento multiprofissional. O endocrinologista prescreverá a quantidade necessária de medicamento e o profissional Nutricionista, irá elaborar um plano alimentar indicando o quanto de carboidrato deverá ser consumido em cada refeição. Você vai aprender a contar carboidratos e realizar as substituições através de um manual de carboidratos que será fornecido pela nossa equipe.

Portanto, se você tem diabetes tipo 1 e frequentemente tem episódios de hiperglicemia e/ou hipoglicemia e tem dificuldade em saber o que pode ou não comer, procure uma nutricionista que realize contagem de carboidratos. A sua qualidade de vida pode melhorar muito com o tratamento efetivo.

Dieta com pouca gordura não é a mais efetiva

Dieta com pouca gordura não é mais efetiva que outras dietas para auxiliar na perda de peso a longo prazo. Por décadas até os dias atuais, tem-se falado que para perder ou manter o peso , tem que parar de comer gordura. E como está a situação hoje em dia? Vivemos uma epidemia de pessoas com sobrepeso e obesidade.

Ano passado foi publicada na conceituada revista Lancet uma metanálise, que analisou 53 artigos científicos, envolvendo 68 mil pacientes que realizaram dietas para emagrecimento.

Dezoito trabalhos compararam dietas low-carb ( pobre em carboidratos) com dietas com pouca gordura, e neste comparativo, dieta low-carb ocasionou uma  perda de peso mais significativa a longo prazo.

A questão central para o sucesso de uma dieta é colocar claramente para o paciente as escolhas alimentares que são saudáveis e aquelas que ele deve evitar. Quando é colocado para o paciente que ele deve ingerir pouca gordura, é natural que aja uma compensação aumentando o consumo de carboidratos ou açúcares. Aumentando a carga de carboidratos, o pâncreas será mais exigido, liberando mais insulina. A insulina é sabidamente um hormônio que forma gordura.

Os alimentos industrializados, tais como  biscoitos, doces e  salgadinhos, são ricos em carboidratos e gorduras. O hábito de consumir estas substâncias, tão presente nas nossas crianças, está contribuindo para o crescimento da obesidade infantil. E uma criança gordinha terá muito mais dificuldade de perder gordura na vida adulta.

Uma alimentação saudável deve ser composta de frutas, carboidratos com baixo indice glicêmico ( elevam menos a glicose no sangue), os quais em geral são os carboidratos ricos em fibras, verduras e legumes.

Para aqueles que precisam emagrecer, a dieta com controle na ingesta dos carboidratos, optando por uma ingestão variada de alimentos em suas versões low-carb, tais como pães, tortas, lasanhas e  pizzas, é uma maneira efetiva de tratamento. Uma das grandes vantagens desta dieta é que o indivíduo não precisa sentir fome, pois não há controle na quantidade a ser ingerida.

As nutricionistas do vitalité centro médico tem experiência com este tratamento, e podem lhe ajudar a escolher uma opção variada de cardápios, de acordo com a sua preferência, de modo a facilitar a sua aderência a esta dieta.

 

 

Especialista em Endocrinologia e Metabologia
Conselheiro do Conselho Regional de Medicina
Presidente da Câmara Técnica de Endocrinologia do CRM
Membro da Câmara Técnica de Registro de Especialistas do CRM
Médico Concursado da Secretaria de Estado de Saúde atuando na função de Regulador e Teleconsultor

Diabetes é uma doença invisível

Hoje, 14 de novembro, é o dia mundial do diabetes. O lema deste ano é :”Diabetes é uma doença invisível”.

Diabetes is um grande e problema crescente: 415 milhões de adultos vivem com diabetes em 2015 e este número é esperado aumentar para em torno de   642 milhões  ou um a cada dez adultos em 2040.

Um a cada dois adultos com diabetes não tem a sua doença diagnosticada. Muitas pessoas vivem com diabetes tipo 2 por um longo período sem tomar conhecimento das suas reais condições.Na hora do diagnóstico, as complicações do diabetes podem já estar presentes.

Até 70% dos casos de diabetes tipo 2 podem ser prevenidos ou retardados ao adotar-se estilos de vida mais saudáveis.

Com os níveis crescentes de má nutrição e  inatividade física entre as crianças em diversos países, diabetes mellitus tipo 2 em jovens tem o potencial para se tornar um problema de saúde pública mundial , levando a desfechos muito sérios na saúde da população.

Em diversos países é a primeira causa em cegueira, doença cardiovascular , insuficiência renal e amputação de membros inferiores.

Minha mensagem nesta data é para que aqueles que não costumam ir ao médico para realizar um checkup preventivo, que o façam neste momento, para que, na eventualidade de detectar alguma anormalidade,  possam tratar a condição antes de esta trazer consequências drásticas e irreversíveis. Para aqueles que já possuem o diagnóstico de diabetes, recomendo que encarem a doença com seriedade, adotando hábitos saudáveis de vida, não fumem, façam exercícios físicos regularmente, tenham uma alimentação saudável, evitando produtos industrializados, preferindo os carboidratos mais saudáveis, ricos em fibras, e também as gorduras mono e polinsaturadas. O uso de medicamentos para o controle da doença também auxilia a prevenir o aparecimento das complicações do diabetes, e deve ser usado por toda a vida, pois o diabetes é uma doença crônica, ainda sem cura, mas potencialmente controlável.

Fonte:

IDF – International Diabetes Federation – www.idf.org.br

 

Especialista em Endocrinologia e Metabologia
Conselheiro do Conselho Regional de Medicina
Presidente da Câmara Técnica de Endocrinologia do CRM
Membro da Câmara Técnica de Registro de Especialistas do CRM
Médico Concursado da Secretaria de Estado de Saúde atuando na função de Regulador e Teleconsultor

Açúcar é o novo cigarro

Temos visto até os dias de hoje campanhas promovidas pelas sociedades médicas para que a população tenha uma dieta pobre em gorduras e com predomínio de carboidratos. Estas medidas não impediram o aumento da prevalência na obesidade e as doenças correlacionadas, especialmente diabetes e hipertensão.

Recentemente foi publicado na mídia que as sociedades de diabetes e cardiologia nos Estados Unidos  foram patrocinadas por indústrias do refrigerante, mais precisamente Coca-Cola e Pepsi. O New York Times publicou ano passado que a Coca-Cola financiou um estudo com o objetivo de subestimar o malefício no consumo de refrigerante na obesidade e focar no sedentarismo.

Uma lata de Coca-Cola tem nove colheres de chá de açúcar. A quantidade diária não deveria ultrapassar três colheres de sopa.

O açúcar está presente  em inúmeros alimentos, tais como catchup, sucos, pães, chocolates e doces. A redução no seu consumo poderá contribuir drasticamente para controlar a epidemia de obesidade. Mas é preciso que as sociedades médicas reconheçam o açúcar como o grande vilão.

Assim como ocorreu com o cigarro, campanhas contra o consumo de refrigerantes na mídia, banir o patrocínio de marcas de refrigerantes em eventos esportivos, assim como qualquer associação com o esporte são medidas urgentes e necessárias.

Uma criança obesa terá muito mais dificuldade de lidar com o peso na vida adulta. Na infância as células gordurosas adquiriras e multiplicadas não são eliminadas na vida adulta. O aparecimento do diabetes mellitus tipo 2, como consequência, tem ocorrido numa frequência maior em adultos jovens, em relação ao passado.

E por que  o açúcar é o inimigo número um no combate à obesidade? Porque o açúcar é quem faz liberar insulina, e a insulina é quem armazena a gordura. Sem ingerir o açúcar, ou reduzindo a ingesta de carboidratos, a gordura do alimento não é armazenada no organismo.

Portanto, o foco de uma alimentação saudável e prevenção e tratamento de doenças deve ser buscar um regime alimentar com controle dos carboidratos, consumo de proteínas e gorduras,especialmente mono e polinsaturadas.

 

 

 

 

Especialista em Endocrinologia e Metabologia
Conselheiro do Conselho Regional de Medicina
Presidente da Câmara Técnica de Endocrinologia do CRM
Membro da Câmara Técnica de Registro de Especialistas do CRM
Médico Concursado da Secretaria de Estado de Saúde atuando na função de Regulador e Teleconsultor