#BombaTôFora

Em abril deste ano foi lançado o projeto #BombaTôFora, criado pelo Núcleo de
Endocrinologia do Exercício da Medicina Esportiva da Universidade Federal de São Paulo
(UNIFESP) e pela agência Y&R, em parceria com a Universidade de Caxias do Sul.
A previsão é de que o mês de setembro de 2018 seja utilizado para divulgação
desta campanha nacional, cujo objetivo é a prevenção do uso de esteróides anabolizantes
e similares e atendimento aos seus usuários.

O que são esteroides anabolizantes?

Esteróides Anabolizantes são drogas fabricadas para agirem como o hormônio
masculino Testosterona. Eles ajudam no crescimento dos músculos (efeito anabólico) e
no desenvolvimento das características sexuais masculinas como: pelos, barba, voz
grossa etc. (efeito androgênico).
O problema é que o termo anabolizante leva a crer que estas medicações
possuem somente os “benefícios” do crescimento muscular, porém se sabe que os efeitos
androgênicos sempre estarão presentes, em maior ou menor grau. E é daí que temos os
perigos associados ao seu uso descontrolado.
→ Os objetivos do uso estético ou por praticantes de algum esporte são:
• ganho de massa muscular e de força
• diminuição do tempo de recuperação / cura de lesões
• “vantagem”  sobre o adversário
•  vitória na competição

→ Já os efeitos adversos (decorrentes daquele efeito androgênico mencionado acima)
atingem os mais variados órgãos e sistemas:
• fígado: lesão das células do fígado, até câncer de fígado
• testículos: atrofia testicular, infertilidade
• pele: acne, queda de cabelo, aumento de pelos, edema (inchaço)
• rins: insuficiência renal aguda
• psicológico: alterações de humor, agressividade, depressão, dependência

• diminuição do colesterol HDL (colesterol “bom”)
• hipertensão, aumento do ventrículo esquerdo do coração
•  aumento do risco de trombose
• diminuição da tolerância à glicose

Todos esses efeitos dependem de muitos fatores, como idade, dose e o tempo de
uso, a via utilizada (comprimidos, injeções, gel), uso de outras drogas associadas..
O que percebemos hoje em dia é de que além do uso dos anabolizantes (“bombas”)
em praticantes de atividade física / academias, um outro público vem fazendo uso destes
compostos com o objetivo chamado “anti-aging”: a promessa de retardar o
envelhecimento está levando homens e mulheres nas mais variadas idades a utilizar
estes medicamentos.
É preciso esclarecer que o termo “medicina anti-aging” na verdade não se configura
uma especialidade médica e que não há nenhuma comprovação de que o uso de
hormônios seja capaz de prevenir ou retardar o envelhecimento da população.
Por fim, a mensagem que a campanha #BombaTôFora quer passar é de que
qualquer pessoa que não possua uma deficiência hormonal comprovada e investigada,
além de sintomas relacionados, não deve utilizar compostos com derivados hormonais,
seja qual for a dose e o tempo de uso. Por enquanto, os riscos superam os benefícios.
Fonte: site da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem
(http://www.abcd.gov.br/arquivos/bombatofora_apresentacao_ABCD.pdf)

Dra. Thamires de Souza

Graduação em Medicina pela Faculdade Evangélica do Paraná, Curitiba. Conclusão em 2013. CRM SC 24530.
Residência Médica em Clínica Médica no Hospital Universitário Evangélico de Curitiba – HUEC, Curitiba. Conclusão em 2015.
Residência Médica em Endocrinologia e Metabologia no Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia Luiz Capriglione – IEDE, Rio de Janeiro. Conclusão em 2017.

Título de Especialista em Endocrinologia e Metabologia pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, SBEM, 2017. RQE 15163