Posts

Liraglutida auxilia na prevenção do diabetes

A liraglutida ( Saxenda®) é uma medicação desenvolvida para o tratamento da obesidade. Age através do aumento de uma substância produzida no intestino chamada GLP-1, promovendo retardo no esvaziamento do estômago, melhora na produção de insulina, e ação central redutora do apetite. O mesmo medicamento é utilizado no tratamento do diabetes, porém em doses menores, e tem o nome comercial de Victoza.

O pré-diabetes é caracterizado quando o indivíduo tem glicemia de jejum alterada entre 100 e 125 mg/dl, ou entre 140 e 199 mg/dl após o teste com sobrecarga de glicose, ou hemoglobina glicada entre 5,7 a 6,4%. Esse indivíduos normalmente tem sobrepeso ou obesidade,  aumento da circunferência abdominal e  predisposição familiar.

Estudos prévios já mostraram o benefício da reeducação alimentar e atividade física, assim como a medicação metformina, na prevenção do surgimento de diabetes em indivíduos pré-diabéticos.

Recentemente, foi publicado um estudo mostrando os benefícios após 03 anos de uso de liraglutida ( Saxenda@), na dose de 03 mg, em prevenir a evolução para o diabetes. Apenas 26 pacientes de um total de 1472 que completaram o estudo utilizando a liraglutida desenvolveram diabetes, ou seja, 2% dos participantes. No grupo placebo, ou seja, aquele que não utilizou a substância ativa, 46 pacientes de um total de 738 ( 6%) desenvolveram a doença.

O grupo liraglutida perdeu em média 6,1% do peso corporal após 03 anos de estudo, contra 1,9% do grupo placebo.

Portanto, a medicação liraglutida mostrou benefícios para a saúde em termos de redução no risco de diabetes, especialmente em uma população de pacientes obesos e pré-diabéticos.

Fonte: 3 years of liraglutide versus placebo for type 2 diabetes risk reduction and weight management in individuals with prediabetes: a randomised, double-blind trial.le Houx et al Lancet. 2017 Feb 22. pii: S0140-6736(17)30069-7. doi: 10.1016/S0140-6736(17)30069-7. [Epub ahead of print]

Doutora em Endocrinologia – USP/SP
Residência Médica em Endocrinologia – Hospital Brigadeiro/SP

Pâncreas artificial aprovado pelo FDA

O FDA acabou de aprovar o primeiro pâncreas artificial, que consiste de uma bomba de insulina de alça fechada híbrida, a qual automaticamente  monitora a glicose no sangue e administra a dose de insulina necessária. Está aprovada para pacientes a partir de 14 anos de idade com diabetes mellitus tipo 1.

Devido ao fato que o dispositivo corrige tanto as glicemias baixas, quanto as elevadas ( os atuais corrigem apenas a hipoglicemia), está sendo chamada de primeiro pâncreas artificial. Entretanto, como os pacientes ainda precisam colocar a quantidade de   carbohidratos ingeridos antes das refeições e requisitar ao dispositivo para fornecer a dose de insulina bolus ( da refeição), na verdade é um sistema híbrido ao invés de um completo sistema de alça fechada.

O sistema compreende um monitor continuo de glicose ligado ao tecido subcutâneo, o qual  verifica os níveis de glicose a cada 05 minutos. Uma bomba de insulina  lê a glicose e libera a insulina de acordo com os valores. Antes das refeições, o paciente digita a quantidade aproximada de carbohidratos que ingeriu e o sistema calcula a dose de insulina a ser liberada.

No estudo realizado com o dispositivo, não ocorreram eventos adversos sérios, tais como cetoacidose diabética e  hipoglicemia severa.

A fabricante  (Medtronic) está atualmente realizando estudos clínicos para avaliar a segurança e efetividade do dispositivo em crianças entre 7 a 13 anos de idade com diabetes tipo 1.

Este é um grande avanço na direção da cura do diabetes tipo 1. A expectativa é que este dispositivo deverá facilitar bastante o controle da doença, contribuindo para que o paciente atinja as metas de glicemia e hemoglobina glicada ( inferior a 7%), e diminuindo consideravelmente o risco de complicações crônicas.

O dispositivo chama-se sistema MiniMed 670G , e com este lançamento, estamos a um passo do sistema de alça fechada completo, que libera automaticamente a insulina de acordo com a glicemia, tanto no basal ( longe das refeições), quanto nas refeições.

A previsão é que estará no mercado americano no início de 2017. Não há previsão para sua chegada ao Brasil, nem o custo.

Doutora em Endocrinologia – USP/SP
Residência Médica em Endocrinologia – Hospital Brigadeiro/SP

Pré-diabetes: o que você precisa saber

Definição

Pré-Diabetes é definido como o aumento da glicose no sangue insuficiente para ser definido como diabetes, ou seja, quando a glicemia está entre 100 e 125 mg/dl no jejum, entre 140 e 199 mg/dl após o teste de tolerância à glicose ou hemoglobina glicada ( A1C) entre 5,7 a 6,4%.

É importante destacar que pessoas com pré-diabetes frequentemente tem outros fatores de risco para o coração e circulação, tais como obesidade, pressão alta, e aumento de colesterol, apresentando aumento do risco para Infarto Agudo do Miocárdio e Derrame Cerebral.

Como manejar o pré-diabetes

Pacientes com pré-diabetes devem ser encaminhados para um acompanhamento nutricional e programa de aconselhamento para atividade física, buscando um alvo de perda ponderal em torno de 7% do peso corporal e aumentar a atividade física para o mínimo de 150 minutos por semana.

Exercícios de resistência, tais como levantamento de peso, tem efeito benéfico na circunferência abdominal, melhora na sensibilidade insulínica, e diminuição do risco para diabetes.

Quatro grandes estudos mostraram uma robusta redução na progressão para diabetes com as mudanças acima citadas: o Diabetes Prevention Program ( DPP) mostrou redução de 58% em 03 anos; o estudo Da Qing 43% em 20 anos; o Finnish Diabetes Prevention Study ( DPS) 43% em 07 anos; redução de 34% em 10 anos no U.S. Diabetes Prevention Program Outcomes Study ( DPPOS).

A medicação metformina deve ser considerada especialmente para aqueles com Indice de Massa Corporal > 35 kg/m2 ( cálculo disponível na nossa home page), aqueles com menos de 60 anos de idade, e mulheres com Diabetes Gestacional prévia.

Uma medicação promissora para normalizar a glicemia e evitar a progressão para diabetes é o liraglutide (Saxenda®), recém-chegada ao mercado brasileiro, e aprovada para o tratamento da obesidade.

Tecnologia no controle do pré-diabetes

A tecnologia pode ser um meio efetivo para atingir os objetivos supracitados. Estudos recentes dão suporte aos pequenos grupos virtuais da internet para perda de peso, aplicativos de telefones celulares e outros dispositivos. Aplicativos de celulares para emagrecimento e prevenção de diabetes tem sido validados pela sua capacidade em reduzir a média glicêmica em indivíduos com pré-diabetes.

O pedômetro, um dispositivo para registrar a sua caminhada diária, pode ser um grande aliado para uma vida mais ativa. Para aqueles indivíduos em que seja recomendado atividades físicas de nível moderado, o objetivo é realizar 10.000 passos por dia.

Fonte: Prevention or Delay of Type 2 Diabetes. Diabetes Care 2016;39(Suppl. 1):S36–S38| DOI: 10.2337/dc16-S007

Especialista em Endocrinologia e Metabologia
Conselheiro do Conselho Regional de Medicina
Presidente da Câmara Técnica de Endocrinologia do CRM
Membro da Câmara Técnica de Registro de Especialistas do CRM
Médico Concursado da Secretaria de Estado de Saúde atuando na função de Regulador e Teleconsultor